terça-feira, 18 de abril de 2017

O QUE NÃO EXISTE MAIS | AUTOR: KRISHNA MONTEIRO | RESENHA


 Título: O que não existe mais | Autor: Krishna Monteiro
Editora: Tordesilhas | Páginas: 110 | Ano: 2015 | Nota: ★★★★★

Olá !!! É com alegria que compartilho essa indicação. O livro 'O que não existe mais' recebi em parceria com o autor Krishna Monteiro, sua primeira publicação. Uma leitura que me surpreendeu muito por suas histórias e pela linguagem tão rica em detalhes. São 7 contos fortes com grande carga emocional, e que nos faz sentir e analisar situações muitas vezes tão próximas. A capa foi muito bem escolhida, nos transmite emoções, as marcas que ficam ao longo da vida, a necessidade de se deixar registrado e de compartilhar suas histórias. E até me pego pensando, se não for pedir demais, se eu pudesse olhar dentro desse coração quantos sentimentos poderiam ser revelados. Convido todos vocês a conhecerem também...


SINOPSE
'O que não existe mais' é um relato sobre memória e desajuste, solidão e renascimento. Neste livro de contos, Krishna Monteiro explora esses temas sob vários ângulos. O de um filho perseguido nos corredores de sua casa pela lembrança viva o pai; o de um pacto celebrado pelo escritor João Guimarães Rosa numa encruzilhada; o de um galo de briga que, ao combater na arena, recorda toda a sua existência; o de um gato, narrando os últimos momentos de sua dona, sem compreendê-los; o de um velho soldado que tenta sem sucesso exorcizar a guerra; o de uma mulher que diante da degradação e do envelhecimento vê no ato de contar histórias a fonte mesma de criação e manutenção da vida.




Costumo pensar que a depender do momento em que você ler uma obra, seja por seu estado de espírito, suas vivências, um livro pode despertar diversos sentimentos em você. E foi o que aconteceu comigo com esse livro. O primeiro conto, intitulado "O que não existe mais" me marcou forte. Talvez se eu tivesse lido 2 anos antes, não teria o mesmo impacto. Hoje também sofro a ausência do meu pai, quanto mais o tempo passa, o vazio e a saudade permanecem. É muito difícil, todos que conviveram de perto e sentem a falta, sabem muito bem como é esse sentimento. O que aprendemos com o tempo, é saber lidar com essa ausência, mas ele sempre permanecerá vivo nas lembranças, nos retratos, e até nos nossos próprios traços quando nos olharmos no espelho. O que não existe, acho que continua existindo até demais, mas de uma outra forma. É sobre esse sentimento de perda, o autor consegue recriar no cenário de casa, suas lembranças, suas aventuras com o pai, com a família e procura se convencer que tudo acabou com a morte, mesmo que no fundo saiba que ele permanecerá enquanto ele mesmo estiver vivo. 



No segundo conto “As encruzilhadas do doutor Rosa”, a narrativa transita entre o sagrado e o profano, pois o personagem deseja muito saber o que há na valise do médico. Entram numa igreja; ao tentar apropriar-se do conteúdo da valise, percebe os olhares inquisidores dos religiosos. Ele é presenteado com o que há na valise mas descobre que são de outra natureza. Terceiro conto “Quando dormires, cantarei” é ambientado em um local onde acontece brigas de galos. Nenhum deles desaparece, mesmo que derrotado. A violência e a vaidade levadas ao extremo e a perspectiva da morte são percebidas igualmente para os dois. Quarto conto, "Um âmbito cerrado como um sonho” um cão descreve o apartamento onde vivem ele e sua dona, fala do homem com quem ela relaciona-se, os conflitos inerentes à vida do casal e o encontro desta mulher com as amigas. Quinto conto, "Monte Castelo" é o maior conto do livro, é narrado a partir do ponto de vista de uma criança, aborda a complexidade das relações familiares e de sua influência na sua formação. O ponto chave da história recai sobre esse menino e seu avô, a quem visita numa cidade distante. A narrativa acompanha o seu crescimento, de suas ausências à casa do avô devido a conflitos entre elas. Conforme ele vai amadurecendo, suas reflexões vão intensificando. E perdura a narrativa deste avô, ex-combatente na Segunda Guerra Mundial. No sexto conto, “Sudário” é um pedido com intenção de dissuadir alguém de praticar o suicídio, o final fica em aberto. Enquanto que no sétimo conto, “Alma em corpo atravessada”, aborda a vida de uma narradora que aos poucos perde a capacidade de contar histórias e a mulher termina por surpreender o narrador.




É um livro que mexe com nossos sentidos, sentimentos, nos coloca dentro do cenário, nos faz enxergar pessoas, situações, conflitos, conceitos. Posso afirmar que uma leitura estimulante que nos propõe desafios e nos faz avaliar sobre nossa própria existência. Agradeço demais a oportunidade de ter em mãos esse livro e desejo muita sorte nessa nova caminhada. Muito sucesso !!! Com certeza, um livro que recomendo !!!


Livro disponível para aquisições nas principais lojas virtuais :
AMAZON | SARAIVA | SUBMARINO


SOBRE O AUTOR

Krishna Monteiro nasceu em 1973, no Paraná. Graduou-se em economia e fez mestrado em ciências políticas. Depois de uma breve passagem pelo jornalismo, em 2008, ingressou na carreira diplomática. Entre os anos de 2010 e 2012 trabalhou como vice-chefe de missão da embaixada brasileira no Sudão. Além disso, foi editor de textos literários da revista Juca – diplomacia e humanidade, publicada pelo Itamaraty, e ajudou a criar o blog Jovens Diplomatas. Atualmente, é cônsul adjunto do Brasil em Londres. O que não existe mais é sua estreia como escritor.



Sobre Lorena Caribé

Olá! Meu nome é Lorena. Estarei compartilhando nesse blog comentários e indicações de leituras. Continuem visitando para novas atualizações!!! E-MAIL: aventuraliteraria@hotmail.com

POSTAGENS RELACIONADAS

Comente com o Facebook:

13 comentários:

  1. Oii Lorena!
    Apesar de achar a capa do livro linda, essa obra não mexeu com meu interesse, não seria um livro que leria, achei o titulo super comum, nada de diferente, porém adorei sua resenha, achei ela ótima. De qualquer modo obrigada pela dica, não irei anotar dessa vez, quem sabe na próxima né!
    Abraços;**
    http://FebredeLivro

    ResponderExcluir
  2. Oii,tudo bem?
    Parabéns pela parceria!
    Eu não conhecia a obra, mas gostei bastante da premissa e ainda mais da tua resenha! Também sofro com a ausência do meu pai, querendo ou não. Parece ser um livro bem delicado e que traz reflexões. Amei a capa também, tem bem a ver com o tema.
    Dica anotada aqui.

    ResponderExcluir
  3. Eu tenho esse livro e acho ele bem legal, aliás, parabéns pela resenha, foi a melhor que li aqui no blog e concordo que muitas das leituras dependem de nosso estado de espírito, sobre o livro, como disse, é uma leitura fabulosa.

    ResponderExcluir
  4. Oi! Adorei a premissa dos contos. Parecem fazer pensar e refletir bastante sobre a vida.
    Adorei principalmente o fato de ter um conto intitulado "Monte Castelo", pois é o nome da minha cidade natal rsrs *-*
    Dica mais que anotada! Essa capa é muito fofinha ^-^

    ResponderExcluir
  5. sinto pelo seu pai, flor :(
    imagino que a leitura dessa obra tenha te deixado absorta e impactada... dependendo do nosso estado de espírito, realmente a leitura de determinado livro pode sofrer influência dessas emoções...
    fico feliz que tenha sido uma obra que valeu a pena ser lida...
    bjs...

    p.s: eu gosto de contos,leria tranquila...

    ResponderExcluir
  6. Oi Lorena,
    Você tem razão: um livro pode despertar diversos sentimentos dependendo do momento da vida em que é apreciado. Infelizmente, coletânea de contos não me atrai muito, mas gostei muito do post.
    Beijos,
    André | Garotos Perdidos

    ResponderExcluir
  7. Eu não gosto de contos, mas acho bem bacana isso de apoiar a literatura nacional. E como é bom quando lemos um livro no momento certo, né?!

    ;*

    ResponderExcluir
  8. Oi!
    Por não gostar de contos essa é uma obra que normalmente não despertaria o meu interesse mas a sua resenha me deixou​ curiosa em relação a carga emocional que o livro traz e que parece ser bem forte. Embora eu ache que não esteja na vibe desse livro no momento é uma dica que guardarei para o futuro.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Olá Lorena!

    Sinto pelo seu pai, pela ausência e falta que faz em sua vida. Sobre o livro, eu gostei muito da capa, gosto de contos também, sua resenha despertou pelo interesse pela obra, parece ter uma forte carga emocional. Dica anotada!
    Bjuss

    ResponderExcluir
  10. Oi Lore
    Adoro livro de contos e esse em especial me chamou muito a atenção devido as premissas que você nos resenhou. Diferentes histórias que nos despertam diversas sensações... isso que é o maravilhoso poder dos livros!
    Dica anotada e amei sua resenha... super detalhista, mas sem dar spoilers ;)
    Já estou seguindo o blog... segue o nosso também para continuarmos a trocar dicas literárias... bjuuuu

    http://thehouseofstorie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. Olá,
    A capa já chamou bastante minha atenção.
    Ultimamente tenho lido bastante contos e fiquei bem intrigada por esse livro apresentar 7 deles que parecem ficar cravados no nosso peito tamanha a carga emocional que apresentam.
    Adorei saber suas impressões e, claro, anotei a dica pois parece ser uma leitura incrível e envolvente.

    LEITURA DESCONTROLADA

    ResponderExcluir
  12. Olá
    muito linda a obra parece ser, adorei essa capa tão simples e ao mesmo tempo chamativa, eu adoro esse tipo de leitura então já está na lista

    beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Nossa que sensacional. Não conhecia o livro, mas fiquei muito interessada. Parece um obra boa que emociona. Fiquei emocionada com suas palavras, imagine com o livro. Realmente só quem perde algum ente querido sabe a dor e as complicações de se passar por isso. Quero muito ler o livro.
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir